20 tipos cursos de Engenharia que você pode escolher

A Engenharia é um curso bastante tradicional, que atrai muitos jovens à procura de uma carreira promissora. Essa demanda não é alta à toa: além dos salários generosos, a possibilidades para quem deseja se tornar um engenheiro são bastante amplas. Por isso, as universidades brasileiras oferecem um leque enorme de cursos nessa área, sem contar com as especializações. Assim, o futuro profissional pode escolher à vontade a que campo de estudo quer se dedicar.

Para ajudar na sua escolha, vamos mostrar neste post alguns dos principais cursos de Engenharia disponíveis, o que se aprende em cada um, quais são as atribuições de cada tipo de engenheiro e quais desafios e recompensas esperar de cada carreira. Continue a leitura e tire suas dúvidas!

Quais são os principais cursos de Engenharia?

1. Engenharia Aeronáutica

Nesse campo, o profissional trabalha na manutenção e no gerenciamento de todas as atividades aeroespaciais. Um engenheiro aeronáutico se envolverá com o projeto e com a construção de aeronaves, helicópteros, foguetes e até de satélites.

Quem escolher esse segmento precisará ter bom conhecimento de Ciências Exatas e gostar muito de cálculo. Disciplinas como física, química e estatística fazem parte da grade inicial, mas o curso inclui abordagens mais técnicas, como aerodinâmica e dinâmica das aeronaves.

2. Engenharia Agrícola

O engenheiro agrícola implanta e administra técnicas e equipamentos para a produção agrícola e busca soluções eficazes que visem melhorar essa produção. Ele trabalha para impedir o esgotamento do solo e a poluição de mananciais, e também lida com armazenagem e secagem de grãos, eletrificação rural, agroindústria e construção de barragens e açudes.

3. Engenharia Ambiental

A área é voltada para atividades de desenvolvimento econômico sustentável. O curso, que se originou a partir de uma especialidade da Engenharia Química, aborda condições ambientais por meio de técnicas que minimizem os efeitos dos refugos e subprodutos resultantes dos processos industriais.

Quem atua nessa área desenvolve e aplica tecnologias para proteger o ambiente, além de realizar Estudos de Impactos Ambientais (EIA), exigência da legislação ambiental que determina a construção de estradas, barragens e ocupação de mananciais.

O campo de trabalho é amplo e envolve áreas de mineração, pesquisa e crédito de carbono, por exemplo. Saber inglês é um importante diferencial, portanto, pratique bem! Se possível, aproveite para fazer intercâmbio em países como a Alemanha e a França, que são pioneiros na área de meio ambiente.

4. Engenharia Cartográfica

É o ramo da Engenharia responsável pela análise de dados geográficos na elaboração de mapas. Nesse campo, o profissional é responsável por captar, coletar e processar informações relacionadas à superfície terrestre.

O curso instrui sobre tecnologias modernas para estudos geográficos e, na grade, constam disciplinas como topografia, geodésia e cartografia. O profissional atua em áreas de georreferenciamento e sensoriamento remoto.

5. Engenharia Civil

Essa é uma das áreas mais antigas da Engenharia, e hoje anda prejudicada pela estagnação econômica do país, pois o mercado entrou em baixa e depende das decisões do governo para reagir. O graduado na área civil, além de ser o responsável por projetos e pela execução de obras como casas, viadutos, estradas e barragens, também se dedica à análise do solo, aos estudo dos efeitos dos ventos, dos tipos de fundação e do acabamento dos materiais utilizados.

6. Engenharia da Computação

É a engenharia do conhecimento, utilizada tanto no desenvolvimento dos computadores quanto nos sistemas que integram hardware e software. O auge da carreira de um engenheiro da computação acontece por volta dos 10 anos de profissão, quando se alcança mais experiência e melhores salários.

Se essa for a sua escolha, uma dica é se preparar desde o ensino médio para obter uma base sólida em Ciências Exatas. As ciências da automação e controle, os sistemas operacionais e projeto de desenvolvimento de software fazem parte da grade.

7. Engenharia de Alimentos

O engenheiro de alimentos estuda a produção de alimentos em escala industrial. O curso habilita o profissional para atividades técnicas, científicas e administrativas, como a caracterização, controle e processos de matéria-prima até a sua comercialização final. Esse ramo usa técnicas e conhecimentos na fabricação, conservação, armazenamento e transporte dos alimentos industrializados, minimizando perdas e custos da produção.

A profissão está em alta e o campo de trabalho é enorme. Exige-se do profissional um grande senso de responsabilidade e postura ética perante a sociedade, já que os processos e a manipulação de alimentos influenciam no bem estar das pessoas.

8. Engenharia de Materiais

O profissional dessa área pesquisa e cria diversos tipos de materiais, como cerâmicas, ligas metálicas, resinas e plásticos. As indústrias de petróleo e de siderurgia são as que mais contratam, mas o setor da construção civil é mais dinâmico.

9. Engenharia de Telecomunicações

Já pensou como é difícil ficar sem TV a cabo, celular e internet? Todo esse avanço tecnológico só foi possível quando o setor de telefonia foi privatizado e impulsionou o mercado das telecomunicações. A evolução nas comunicações trouxe à tona a Engenharia de Telecomunicações, uma área relativamente nova e que cresceu muito nos últimos anos.

Esse profissional é responsável pela implantação e manutenção das redes de telecomunicações, atuando também no desenvolvimento de sistemas e equipamentos para telefonia fixa, móvel, e cabeamentos aéreos e subterrâneos.

O profissional deve dominar os processos e técnicas de transmissão e recepção de dados e pode trabalhar em concessionárias de telecomunicações, rádio e TV.

O mercado é promissor e deve continuar aquecido por muitos anos. É importante manter-se atualizado, pois os avanços tecnológicos na área não param.

10. Engenharia de Petróleo e Gás

Esse ramo da engenharia é responsável por toda a cadeia produtiva, do gás natural ao biocombustível. O profissional utiliza técnicas de descoberta de novas jazidas, passando pela exploração e produção. A área de atuação é basicamente em alto-mar, em navios petroleiros, plataformas marítimas, refinarias e petroquímicas.

A profissão está muito ligada ao mercado internacional, por isso, o domínio de mais de uma língua é muito importante. É um mercado em ascensão, mas com pouca mão de obra qualificada disponível. Em função disso, muitas empresas contratam e investem no potencial do profissional com cursos de especialização.

11. Engenharia de Produção

É o curso certo para quem quer agregar o status de gerente ao de engenheiro, unindo qualidade, produtividade, gestão de projetos e de pessoas. Esse profissional gerencia os recursos humanos, financeiros e materiais, a fim de aumentar a produtividade da empresa. Mais do que entender de máquinas, é preciso entender a relação entre ser humano e trabalho. É um dos cursos mais rentáveis e de maior evidência no mercado.

12. Engenharia de Segurança do Trabalho

O graduado na área tem a responsabilidade de assegurar um ambiente de trabalho livre de riscos, sejam físicos ou psicológicos. Mais do que ter conhecimento em segurança, o profissional precisa estar a par da legislação trabalhista e ambiental.

A especialidade surgiu por volta de 1944, quando as demandas das atividades relacionadas à execução e proteção do trabalho ganharam força. A entrada das multinacionais no país aumentou a importância desse profissional, que passou a ser um diferencial dentro das empresas. A construção civil, a indústria pesada, de petróleo e mineração são as que mais contratam.

13. Engenharia Elétrica

Para quem é curioso e interessado em desvendar o funcionamento das coisas, essa é uma boa área. O engenheiro elétrico atua em tudo que envolve energia, da geração até a distribuição. Além das áreas industriais, como a eletrotécnica, ele também estará habilitado para construir e aplicar sistemas de automação e controle em linhas de produção.

O campo de atuação é vasto e você poderá trabalhar em projetos e manutenção (corretiva e preventiva), operar redes de alta tensão, ou atuar na área de planejamento e qualidade. A popularização da TV Digital e as tecnologias das digitais eletrônicas trouxeram boas perspectivas para o profissional da área.

14. Engenharia Florestal  

A profissão surgiu com o crescimento da consciência ecológica, já que o uso sustentável dos recursos florestais se tornou imprescindível para a preservação do meio ambiente.

O profissional dessa área passa a maior parte do dia em áreas externas, já que trabalha em florestas, mas há outras atividades, como a seleção de mudas e sementes e a identificação e classificação de cada espécie, a fim de promover melhorias de suas características. Cuidar de fazendas ou da arborização urbana, fazer laudos, perícias e vistorias também são funções exercidas pelo engenheiro florestal.

Apesar de ser uma área de atuação relativamente nova, a procura por esse profissional é grande. Há muitas oportunidades na indústria de madeira, celulose e carbono, além de áreas ligadas à agricultura.

15. Engenharia Industrial

Essa área cuida de todos os recursos necessários à produção industrial. O profissional acompanha todas as implantações e as manutenções de infraestrutura, da chegada da matéria-prima à qualidade final do produto, além de analisar custos e gerenciar a mão de obra e cuidar da gestão ambiental. O engenheiro industrial é generalista, portanto, pode trabalhar em setores diversos como petróleo, cosméticos, farmácia etc.

16. Engenharia Mecânica

É a parte que trabalha todos os sistemas mecânicos do setor industrial. Essa área cuida do desenvolvimento, do projeto, da construção e da manutenção de máquinas, veículos e sistemas termodinâmicos, assim como usinas e fábricas. É essencial para o desenvolvimento econômico do país, por isso, é uma profissão que está em alta e oferece ótimos salários.

Como são muitas as áreas de atuação, o profissional deve definir o segmento de seu interesse e se especializar. As indústrias automobilística e aeronáutica são as que mais contratam, mas os setores petroquímicos e de energia são muitos promissores.

17. Engenharia Mecatrônica

Essa área costuma unir as especialidades de mecânica, elétrica e computação. Esse ramo desenvolve e também executa projetos de automação industrial, e por isso, tem uma relação íntima com a engenharia mecânica.

Os caixas eletrônicos, as bombas de gasolina e alguns eletrodomésticos são exemplos da tecnologia mecatrônica, assim como a robótica. O mercado é crescente, mas ainda faltam profissionais qualificados na área.

18. Engenharia Metalúrgica

Esse profissional emprega conhecimento na transformação dos minérios em metais e ligas metálicas para aplicação na indústria, além de combiná-los com plásticos e vidros na obtenção de novos produtos. Tudo isso agregando um conhecimento bem profundo de metais e também de suas propriedades nas indústrias.

Como o Brasil é o 8º maior produtor mundial de aço, o mercado está sempre aquecido.

19. Engenharia Naval

É uma área ligada à construção de plataformas marítimas e embarcações, entre outros tipos de transportes aquáticos. Esse engenheiro cuida do projeto e da manutenção de todos os seus equipamentos, além de projetar estruturas, motores e outros componentes dos navios.

A Engenharia Naval é indicada para quem gosta de cálculo e mecânica, além de pesquisas. O profissional precisa ter uma visão sistêmica de todos os processos. A mão de obra ainda é escassa, e, por isso mesmo, valorizada pelas empresas.

20. Engenharia Química

Essa é a área das Engenharias que se dedica aos processos industriais que envolvem transformação físico-química.

O engenheiro químico é o responsável por criar diversas técnicas de extração de matérias-primas, assim como de suas utilizações ou transformações em diversos produtos, como papel e celulose, tintas, tecidos e plásticos, sempre com a preocupação de não causar impacto ao meio ambiente.

Qual é o piso salarial para engenheiros?

O piso salarial do engenheiro é determinado pela Lei 4950-A/166, que indica 6 salários-mínimos para 6 horas diárias de trabalho, com acréscimo de 0,25% de adicional. Os salários variam entre R$ 6.000 para as categorias Júnior, R$ 8.000 para Plena e R$ 12 mil para Sênior.

Apesar dessa média geral, é preciso levar em consideração que os salários variam de acordo com a área de atuação do engenheiro, seu nível de especialização e a região em que ele vai trabalhar.

Além de todas essas variáveis, a formação acadêmica também pode influenciar bastante no seu futuro profissional. Por isso, pesquise bastante antes de escolher a instituição de ensino em que você dará seus primeiros passos como engenheiro e garanta uma graduação que faça seu currículo se destacar.

Se tiver se interessado pelo curso ou ainda tiver mais dúvidas, não deixe de entrar em contato com a Unimonte!

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *