Ainda na faculdade, jovens diretores da região mostram seu talento no 5º Santos Film Fest

Festival começa nesta terça (dia 29); obras poderão ser vistas online

Eles ainda estão na faculdade, mas seus trabalhos já são considerados profissionais. Prova disso é que estão participando do 5º Santos Film Fest, que começa nesta terça-feira (dia 29) e segue até 6 de outubro, movimentando a cena audiovisual da Baixada Santista, este ano de forma online por causa da pandemia.

Arthur Micheloto, de Santos, e Thomas Aguina, de Praia Grande, são estudantes de Cinema e Audiovisual da São Judas – Unimonte, e seus curtas foram selecionados para participar do Santos Film Fest na mostra regional Baixada Santista.

Arthur assina a direção de Blandina, um drama de 14 minutos que retrata a relação de mãe e filha, em um momento crítico de sobrevivência. A mãe Blandina mascara a fome de Angelina, com brincadeiras e canções de ninar, com o intuito de amenizar aquela dor. O filme foi produzido pelo Instituto Querô. Arthur tem apenas 19 anos. “Eu já participei de outro festival, também com um filme do Instituto Querô chamado Sou Pietra”. Blandina tem ainda como diretora assistente Nicole Zadorestki e Joice Rodrigues como assistente de direção.

Já Thomas, de 25 anos, é o diretor de Projeção, outro drama de 18 minutos que traz a história de uma jovem obcecada por câmeras e acessórios analógicos. Ela faz filmagens amadoras em um parque, mas, ao revelar o filme, percebe algo estranho em suas imagens.

Além da direção, Thomas também é responsável pelo roteiro, fotografia, montagem e desenho de som. Um detalhe curioso é que seu filme não tem diálogos.

“Foi filmado no segundo semestre de 2019 como um trabalho da faculdade, um projeto interdisciplinar. Fomos selecionados para dois festivais, um em Curitiba e o de Santos, mas é a primeira vez que inscrevo qualquer projeto em um festival”. Também participam da equipe João Pedro Natale (produção) e Heloisa Ferraz (elenco e direção de arte).

Muito orgulho – A professora Raquel Pellegrini, do curso de Cinema e Audiovisual da São Judas – Unimonte, considera muito importante a iniciativa dos alunos de inscreverem seus trabalhos em  festivais, que são  as principais janelas para o curta-metragem. “Quando as produções  são  selecionadas para as mostras oficiais, acontece  o reconhecimento do processo criativo e de linguagem proposto pelo alunos no desenvolvimento do exercício  cinematográfico. Para nós, do corpo  docente, é um orgulho”.

Para assistir Blandina e Projeção, assim como os demais quatro selecionados da mostra regional Baixada Santista, basta acessar gratuitamente, durante todos os dias do festival, em tempo integral, até a manhã de 6 de outubro, a plataforma www.videocamp.com.